Based in Sydney, Australia, Foundry is a blog by Rebecca Thao. Her posts explore modern architecture through photos and quotes by influential architects, engineers, and artists.

De ciência a jogos: a pesquisa que inspirou o Estrela Solitária

Hoje comemoramos o Dia Nacional da Astronomia no Brasil, profissão na qual os cientistas estudam planetas, estrelas e galáxias! Pensamos então que seria legal compartilhar com vocês a ciência que inspirou a criação de um dos nossos jogos mais desafiadores e que tem tudo a ver com esse universo: o Estrela solitária. Nesse jogo, sua tarefa é encontrar o objeto único em um grupo de figuras no espaço, desafiando sua atenção seletiva. E, como você já leu em nosso artigo aqui no blog, sobre Quem está por trás dos seus jogos favoritos do Lumosity, você sabe que os fundamentos da nossa filosofia de desenvolvimento são de que nossos jogos devem estar enraizados em princípios neuropsicológicos e que sejam adaptativos, envolventes e esteticamente interessantes. Leia mais para conhecer a pesquisa inovadora que ajudou nossos cientistas e designers de jogos a criarem este desafio interestelar!

A descoberta de um cientista em 1980

Anne N. Treisman, por ter formação em Literatura francesa, obviamente não iniciou sua carreira como uma psicóloga renomada. Após mudar de profissão, ela notou algo fascinante durante suas pesquisas com Tarefas Visuais.

Em uma tarefa, Treisman pediu que os participantes encontrassem um objeto com característica distinta, como uma linha vermelha em meio a linhas verdes. Independente do número de distrações (linhas verdes), as linhas vermelhas destacavam-se, possibilitando que os participantes as encontrassem rapidamente.

Porém, os resultados eram bem diferentes quando o objeto único apresentava algumas das características dos outros objetos, como cor ou forma. Em um grupo de círculos azuis e quadrados amarelos, por exemplo, o objeto poderia ser um quadrado azul. Neste caso, Treisman descobriu que quanto maior o número de distrações, mais difícil era encontrar o objeto único.

A descoberta ajudou Treisman a desenvolver sua famosa teoria, publicada em 1980, que iria mudar a forma como cientistas entenderiam a atenção.

A teoria de Treisman em atenção visual

De acordo com a Teoria da Integração de Características de Treisman, o cérebro rapidamente identifica certas características antes de processar objetos completos. Por isso, o número de linhas verdes não afetou a rapidez com que os participantes encontraram as vermelhas.

O processamento de objetos inteiros é mais complexo e, por isso, a atenção se faz necessária. A atenção funciona como um refletor, focando em um objeto e bloqueando os outros. Enquanto isso, o cérebro separa cada característica do objeto, analisando-as em áreas cerebrais separadas, e recombina as partes para formar uma imagem coerente.

Em um jogo como o Estrela solitária, o cérebro passa por estas fases com cada um dos objetos. Por isso, é necessário mais tempo para encontrar o objeto único quando há mais distrações.

Estrela solitária foi criado para manter o seu cérebro desafiado

Nossos cientistas adaptaram a tarefa de Treisman, adicionando outros recursos, como textura e movimento. À medida que você examina objetos mais complexos, em níveis mais elevados, sua atenção deve ser direcionada de forma mais eficiente, para que você encontre o objeto único rapidamente.

Prepare-se para ir longe nesse desafio através do espaço!

Experiência de usuário na Lumosity: Terças de Testes

6 fatos interessantes sobre os usuários do Lumosity